Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página

SEGURANÇA

Criciúma registra queda nos índices criminais

19/08/2017 06:45
Foto por Daniel Búrigo (Foto: Daniel Búrigo) Clique para Ampliar
Francine Ferreira

De janeiro a julho de 2017, a Polícia Militar de Criciúma registrou queda no índice de crimes no município, em relação ao mesmo período do ano passado. Enquanto no primeiro semestre de 2016 foram 31 homicídios, neste ano são 16, uma queda de 48%. Além disso, os roubos caíram 34%, de 449 registros em 2016 para 298 em 2017; os casos de violência contra a mulher passaram de 353 para 274, reduzindo 22%; os furtos de 1499 para 1209, uma queda de 19%; e por fim, as ocorrências de perturbação passaram de 2351 para 2177, decaindo 7%.

De acordo com o comandante da 6ª Região de Polícia Militar (RPM) de Criciúma, coronel Cosme Manique Barreto, os resultados positivos são fruto das ações de prevenção que vem sendo realizadas pelas forças policiais no município. “A Rede de Vizinhos, as rondas escolares e comerciais, e a chegada e implantação do mapa térmico são exemplos. Assim como a política de sempre rever o processo de policiamento para estar onde acontecem as ocorrências. É muito satisfatório ver esses números reduzidos, porque significa que estamos conseguindo mudar, aos poucos, a realidade local”, completa.

Além disso, a tecnologia embarcada nas viaturas utilizadas pela PM é outro ponto de extrema importância para manter esse ritmo. “Como os tablets e smartphones do programa PMSC Mobile, que permitem que as ocorrências sejam registradas na hora em um sistema integrado. Nosso efetivo é de décadas atrás, por isso, para tentar minimizar o problema, nos aliamos à tecnologia para criar outras formas de policiamento. E tem dado certo, a Polícia Militar está conseguindo realizar procedimentos cada vez mais bem amarrados, com objetivo de contribuir com a entrega de casos sólidos à Justiça”, ressalta o comandante.

Mais prisões e apreensões

Além da redução dos índices criminais, a Polícia Militar de Criciúma registrou, também, aumento no número de prisões e apreensões, que passou de 608 no primeiro semestre de 2016 para 795 em 2017, um crescimento de 31%; e de termos circunstanciados lavrados, que cresceu 63%, passando de 353 nos primeiros sete meses do ano passado para 577 neste ano.

Por fim, em relação as drogas apreendidas, fica evidenciada a quantidade de cocaína e pedras de crack retiradas de circulação em 2017. De cocaína, enquanto em todo o ano de 2016 foram apreendidas 926 gramas, até agosto de 2017 já foram encontradas 1873 gramas. E do crack, em todo 2016 foram 3992 pedras apreendidas, enquanto neste ano, até agora, já são 7419 pedras. 

Últimas Notícias

Mais Notícias