Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página

GERAL

Valor da saca do milho safrinha tem acréscimo de R$ 10

21/05/2018 06:40
Foto por Daniel Búrigo (Foto: Daniel Búrigo) Clique para Ampliar
Lucas Renan Domingos

Apesar de pouca esperança, produtor espera que preço seja mantido até o fim do ano, quando acontece a colheita da safra. Agricultores da região já estão em época de colheita do milho safrinha. Apesar de a produção ser menor no período, a elevação do preço do grão tem animado os produtores. Do fim do ano passado até o início de 2018, o valor pago pela saca do produto ficava em torno de R$ 30. Agora, os agricultores já conseguem vender a saca entre R$ 38 e R$ 40, um acréscimo de R$ 10.

Roberto Longhi, engenheiro agrônomo da Epagri de Criciúma, explica que o aumento se deve à falta de produto no mercado. “É natural, quando falta produto, quem tem para vender vai conseguir comercializar com um preço melhor”, disse. As condições climáticas que prejudicaram a concorrência vinda do exterior são mais um fator que contribuiu para um melhor preço aos produtores.

“A Argentina e os Estados Unidos passaram por uma seca que reduziu a produção, isso impacta diretamente em todo o mercado. Pois é mais uma causa da diminuição da oferta do produto. Estima-se aí uma redução de 20% do grão disponibilizado no mercado”, acrescentou o engenheiro agrônomo.

 

Esperança pela manutenção do preço

O agricultor Moacir Demboski é um dos produtores de milho que veem o aumento com bons olhos. Em sua propriedade, no Bairro Linha Batista, ele possui dez hectares de terra com plantações do milho safrinha. Mesmo a área plantada sendo 75% menor se comparada ao período da safra do milho, que acontece de agosto a dezembro, quando ele chega a plantar 40 hectares do grão, o aumento do preço é visto como positivo por Demboski.

“Durante a colheita da safra chega a 140 sacas por hectare, já o milho da safrinha é no máximo 80 sacas por hectare. Mesmo com a redução da quantidade, a produção veio boa e esse aumento do preço vai ajudar. Até porque temos um custo de cultivo muito alto, em média R$ 2,3 mil por hectare, então tem que equilibrar”, apontou.

Ele espera que o preço se mantenha para conseguir ter um bom lucro na próxima safra, mas deposita pouca esperança. “Se aumenta o preço que vendemos, aumenta nas prateleiras dos mercados para o consumidor final, que vai reclamar. É uma fase por conta da fase da falta do grão, mas daqui a pouco o preço cai de novo. Por isso tem que aproveitar a safrinha para tentar tirar um ganho melhor”, destacou Demboski.

 

Bom para uns, ruim para outros

Perto da propriedade de Demboski mora Vilson Studzinski. Sua atividade é a produção do leite. O aumento no preço do milho acaba refletindo diretamente em seus custos, porém de forma negativa. Enquanto o vizinho vê a elevação do valor do grão como uma melhoria no mercado, ele lamenta o acréscimo.

O milho é a base para a produção de ração, principal fonte de alimentação das vacas para garantir uma boa produção do leite. Studzinski afirma que anteriormente o valor do quilo da ração estava R$ 1,25 agora o custo já está em R$ 1,35.

 “O leite ainda teve um aumento no último mês. Só que, enquanto o litro do leite subiu R$ 0,05 centavos, o preço da ração aumentou R$ 0,10 centavos. Não acompanha, não adianta. Isso porque a empresa que eu compro ainda conseguiu manter um preço mais razoável, mas já estamos esperando pagar R$ 1,50 o quilo da ração no próximo mês. Enquanto isso estou vendendo o litro do leite a R$ 1,10”, disse.

Outro agravante para a diminuição do preço na venda do líquido é a concorrência. De acordo com o produtor, se houver uma tentativa de elevação na venda do litro do leite por parte de quem produz, o produto será barrado nos supermercados.

“O consumidor reclama e daí a concorrência fora da nossa região ganha espaço, porque consegue vender mais barato. Já a gente precisa diminuir o trato por conta da alta da ração e isso, consequentemente, impacta no volume da nossa produção e do nosso lucro. E ainda tem o pessoal da carne. Eles também sofrem com isso”, contou.

Galeria de Fotos

Últimas Notícias

Mais Notícias