Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página

GERAL

IMA determina novo embargo da MP Foods

11/07/2018 06:46
Lucas Renan Domingos

Na última segunda-feira, a empresa MP Foods foi alvo de protestos de moradores das comunidades de Capão Bonito, Verdinho e Morro Albino. O motivo principal é o mau cheiro exalado da fábrica que vem prejudicando os moradores. Ontem, o Instituto de Meio Ambiente (IMA) determinou o embargo das atividades até que a solução seja soluncionada.

O gerente regional do IMA, Filipe Barchinski, explica que o caso vem sendo acompanhado há aproximadamente dois anos pelo instituto. Após vistorias, algumas irregularidades foram identificadas pelos técnicos, entre eles o tratamento correto das lagoas e descarte de efluentes e a emissão do odor. Barchinski afirmou que a empresa chegou a cumprir algumas medidas solicitadas, mas o cheiro ruim apontado pelos moradores não teve uma solução.

 

Atividades devem ser paralisadas

Ele acrescenta que a indústria foi notificada várias vezes nesse período, inclusive a unidade foi multada com um valor de R$ 2 milhões. “Em abril eles foram embargados, mas em uma negociação assinamos um termo de compromisso para as atividades continuarem, em contrapartida eles se comprometeram em dar uma solução em até 60 dias. Só que esse prazo já está chegando ao fim e pelo visto, por conta da reclamação dos moradores, o caso não teve uma solução”, disse Barchinski.

Por conta disso, o gerente regional conversou com o presidente do IMA durante o dia de ontem e definiu revogar o termo de compromisso, determinando a paralisação das atividades. “Lógico que a empresa vai tentar um meio jurídico para buscar uma medida de recurso para isso, mas no atual momento, a determinação é essa. Não vai ser algo imediato, até porque, se cumprir com a paralisação, a empresa precisará realizar alguns trabalhos, como a retirada dos animais abatidos para não ficar ali apodrecendo e outras situações”, contou.

Caso a MP Foods não consiga reverter o caso e não cumpra a medida, a empresa corre o risco de desobediência e de gerar um processo administrativo.

Últimas Notícias

Mais Notícias