Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página

OPINIÃO

Rodrigues Braga segue para Londres na busca de parcerias para a construção da ferrovia Dom Pedro I

18/05/2017 06:00
Ruy Hülse - Presidente de Honra do SIECESC

De posse do Decreto 4689 de 10 de fevereiro de 1871, Rodrigues Braga segue para Londres e organiza a Companhia que iria implantar o seu projeto; era a Glen Mille & Company.
O segundo mais importante grupo financeiro da Inglaterra, ficando atrás apenas do Grupo Rotschild.
Estava assim formada na Inglaterra, em 24 de maio de 1872, a "Dom Pedro I Brazilian Company Limited", aprovada no Brasil em 24 de março de 1873, através do Decreto Imperial nº 5237.
É bom ressaltar que a celeuma le-vantada entre a construção dessas ferrovias tinha, como origem, as providências já tomadas pelo Visconde de Barbacena, em 1861, quando requereu uma grande área de terra na localidade de Passa Dois, em Minas (hoje Lauro Müller) com objetivo de minerar carvão e que seria o fundamento da construção da ferrovia Dona Tereza Cristina. Como registramos anteriormente, o objetivo do Visconde era minerar carvão que, se sabia existia em expressiva reserva na região e que, uma vez minerado, seria transportado por ferrovia até o porto de Imbituba e daí para os mercados consumidores.
Barbacena sabia que somente através de uma ferrovia este projeto, de certa forma integrado, seria viável.
No próximo artigo iremos suspender temporariamente, as providências para a construção da ferrovia Dom Pedro I, para dar ênfase a construção da ferrovia Dona Tereza Cristina. Assim o leitor poderá melhor se situar e, inclusive, avaliar a importância dos dois projetos; bem como conhecer a posição de Dom Pedro II, frente a ambos.
De um lado estava o engenheiro Rodrigues Braga, que, embora recém-formado, era credor de reconhecida habilitação profissional, de comprovada tenacidade e espírito de luta incontestável; de outro lado, estava o Visconde de Barbacena, político experiente amplamente relacionado no Brasil e no exterior.
Tudo indica que o Imperador Dom Pedro II reconhecia a importância dos dois projetos, porém não tomava posição, ao lado de nenhum deles, para não se indispor com seus idealizadores; muito menos com os investidores, especialmente do exterior.

 

Últimas Notícias

Mais Notícias