Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página

OPINIÃO

Congresso Ibero-Americano discute produção e democratização do conhecimento

17/05/2018 06:00
Mayara Cardoso

Ismael Gonçalves Alves - Professor doutor do Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Socioeconômico (PPGDS)
Angela Cristina Di Palma Back – Professora doutora do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE)
Viviane Kraieski Assunção – Professora doutora do Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais (PPGCA)

O Congresso Ibero-Americano de Educação da Unesc chega à sua terceira edição, mantendo o mesmo compromisso com a comunidade do Extremo Sul catarinense e consolidando-se como o maior evento das áreas de Ciências Humanas na região. O evento ocorre entre 22 e 25 de maio e terá sua palestra de abertura com o professor Dr. José Garcia Molina, da Universidad de Castilha, La Mancha, Espanha, na noite de 22, às 19h. Pesquisador e professor universitário, Molina é Doutor em Pedagogia, com mestrado em Filosofia, tendo vivido em diferentes cidades europeias e americanas, sem mencionar sua inserção política, tanto em projetos sociais quanto formais, a exemplo de sua atuação enquanto deputado pela província de Toledo (ES). Enfim, um cidadão cosmopolita, que vem para socializar conosco, qualificando esse evento internacional, edição em que se dá visibilidade à Produção e Democratização do Conhecimento na Ibero-América.

A exemplo das edições anteriores, além de problematizar a temática geral do congresso, intenta-se a socialização de experiências docentes, bem como de pesquisas que explicitem temas ligados à Educação, em termos de políticas públicas e/ou mesmo das múltiplas dimensões que compreendem o sistema educacional nos e dos países participantes: das escolas aos professores, da federação à municipalização, do currículo à elaboração em sala de aula. Portanto, atenta ao poder transformador de ações como a do congresso, a Unesc promove espaços para socialização e reflexão em parceira com outras instituições.

Como consequência, a experiência tem nos ensinado, a partir das edições anteriores, que o evento estabelece interlocução entre pesquisadores, docentes e discentes da pós-graduação, profissionais da educação superior e básica, e estudantes das áreas de Humanidades, Ciências e Educação e demais interessados pela temática, colocando-se em evidência a construção coletiva de conhecimentos, trabalhos colaborativos e parcerias interinstitucionais. O congresso possibilitará, ainda, a apropriação do que se tem produzido nos países ibero-americanos, por meio de momentos significativos de socialização, com vistas a encaminhamentos comuns. O evento congrega diversos formatos para que, além de professores-pesquisadores, também possam participar professores da Educação Básica, para além da abrangência geográfica da Instituição. Entre os formatos estão as palestras de abertura e de encerramento, mesas-redondas, minicursos, grupos de trabalhos (GTs), eventos culturais e lançamentos de livros.

Enfim, há inscritos de inúmeros países – como Angola, Argentina, Chile, Colômbia, Cuba e Moçambique –, bem como de 23 Estados brasileiros. Segundo o doutor Ismael Gonçalves Alves, presidente da Comissão, o êxito das edições anteriores contribuiu para o coroamento deste, na medida em que se conseguiu, entre outros, parceiros de referência, como a Capes e o IFSC. Felizmente, mais uma vez se chegou ao patamar de mais de 1200 inscrições, o que só reitera a importância do Congresso Ibero-Americano de Humanidades, Ciências e Educação.

Sobre o Congresso

O Congresso Ibero-Americano de Educação vai receber, entre 22 e 25 de maio, mais de mil pessoas que virão de diferentes países, com o intuito de trocar experiências e saberes sobre a educação. Durante a programação, os participantes poderão visitar Feiras de Livros e de Economia Solidária e participar das apresentações dos Grupos de Trabalho, das oficinas, das mesas-redondas, das palestras, dentre outras atividades. Mais informações sobre o evento podem ser obtidas no portal unesc.net.

Últimas Notícias

Mais Notícias