Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página

OPINIÃO

Com quem você divide suas angústias?

09/07/2018 06:00
Larissa Tancredo é Psicóloga CRP - 12/14395, voluntária da Ceres – Associação Criciumense de Apoio a Saúde Mental

Vocês já devem ter ouvido falar que quando temos uma alegria devemos ter cuidado para quem contar, não é mesmo? Quando temos um projeto, ansiamos um resultado, uma conquista, existe um dito popular que não se deve contar antes de acontecer.
Esse pensamento é levado em conta por se acreditar que estamos cercados de pessoas que não querem a nossa alegria ou que terão inveja pelas nossas vitórias. Cuidamos dos nossos feitos com muito zelo e nos tranquilizamos quando alcançamos e passamos a dividir aos poucos (ou deixar que os outros vejam) para as outras pessoas somente depois.
E as suas angústias, o que te acontece que não é muito legal, você tem o mesmo cuidado?
Somos seres que precisam dessa teia social, buscamos nos outros acolhimento, compreensão, um momento de desabafo para deixar o momento mais leve. Contamos as nossas tristezas na busca de conselhos, de algumas respostas que não estamos encontrando e não se devia ter problema algum nisso. No entanto, da mesma maneira que tomamos cuidado para quem podemos dividir nossas alegrias e/ou planos, devemos ter o mesmo respaldo no momento de contar algo que não está indo muito bem em nossas vidas. Você sabe o porquê?
Poderia começar a dizer de pessoas que vibram com a nossa infelicidade, que curtem quando algo vai mal a algum âmbito em nossa vida, porém quero salientar daquelas pessoas que são essenciais para nós, que nos querem bem, que podemos contar, mas, por algum motivo, não entende bem daquilo que estamos nos queixando e, principalmente, que possui alguma experiência e/ou visão negativa daquele tipo de situação.
Exemplo: uma pessoa que possui algum trauma de um relacionamento a distância, se não tratada essa situação ficará algo não resolvido para ela, e se por acaso você vive um relacionamento desse tipo e for trazer qualquer aspecto da sua vivência, dificilmente ela terá um olhar imparcial sobre o que você está dizendo e trará uma visão turva da situação.
Isso porque, quando falado nesse assunto, a pessoa com quem você está desabafando, automaticamente, faz conexões com aquilo que ela sabe, viveu, e se ela não tem a experiência sanada, mesmo nas melhores intenções, ela se baseará nas emoções e sentimentos que vivenciou, podendo te influenciar erroneamente em alguma tomada de decisão.
É muito importante ter com quem contar, poder se abrir, mas é imprescindível que tenha ciência do que estás buscando para que numa exposição de nossos problemas possamos sair melhores do que entramos.

Últimas Notícias

Mais Notícias