Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página

OPINIÃO

A gaseificação do carvão, rota para sua valorização

15/03/2019 06:00
Ruy Hulse - Presidente de Honra do SIECESC

Um passo importante para agregar valor ao nosso carvão, seria transformá-lo em gás, gás este chamado gás de síntese, podendo alcançar cerca de 9.100Kcal/m³.
Do processamento do gás de síntese pode-se obter uma série de subproduto como óleo diesel, lubrificantes, gasolina, praticamente, toda a série de produtos secundários que se obtém do gás natural.
O CTCL – Centro Tecnológico de Carvão Limpo, na verdade, um centro de pesquisa instalado junto à SATC, tem como um dos objetivos, estudar a viabilidade técnica e econômica, da gaseificação do nosso carvão.
Lembremo-nos que a África do Sul, na época do Apartheid, segregação racial imposta, por lei, à população negra pela minoria branca, fez com que os países produtores de petróleo bloqueassem a comercialização deste energético com a África do Sul.
Foram instalados os complexos industriais Casol 1 e Casol 2 produzindo, através da gaseificação do carvão, os produtos que, levaram a África do Sul, dispensar de importação do petróleo.
O movimento negro sob a liderança do advogado Nelson Mandela, com apoio de toda população, clamava pelo fim do Apartheid, ocasionando sérios confrontos com o Governo de minoria branca liderados pelo então presidente da África do Sul, Frederik de Klerk.
A reação do governo contra o movimento, visando o termino da segregação racial, foi inflexível e sem medidas, resultando na prisão perpétua de Nelson Mandela e vários outros líderes negros.
Por pressão dos países europeus e dos Estados Unidos, Nelson Mandela foi libertado depois de estar confinado numa ilha, na costa da África do Sul, por 26 anos. Libertado Mandela, foi reconhecido seu partido “Congresso Nacional da África do Sul”, oportunidade em que Nelson Mandela proferiu célebre discurso apelando pela reconciliação nacional, mostrando seu espirito de resignação e sua palavra em favor de um governo democrata sem preconceito racial, religioso e ideológico.
Em abril de 1943, depois de 300 anos de domínio de minoria branca, foi assinada por Mandela e de Klerk a nova constituição Sul Africana, sendo Mandela eleito Presidente em 1944 e em 1993 recebeu com de Klerk o Prêmio Nobel da Paz.
Estava terminada uma luta que em determinada fase, o governo recorreu ao carvão como fonte de energia de grande importância, substituindo o petróleo que não lhes era permitido importar.
Até os dias de hoje os complexos Casol, vem operando na obtenção de sua série de subprodutos oriundos do carvão, conjuntamente com o gás natural importado de Moçambique.
Voltaremos oportunamente ao assunto.
 

Últimas Notícias

Mais Notícias