Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página

Ney Lopes

Crítica

29/01/2015

É  cada vez mais delicada a situação financeira da Carbonífera Criciúma, que, nos últimos tempos, vem enfrentando uma crise sem precedentes, com falta de reserva para continuar minerando. Ontem, recebeu ordem de corte de energia por uma dívida de R$ 2 milhões junto à Celesc e anunciou que fecha suas portas na segunda-feira, deixando sem emprego mais de 600 funcionários que, desde ontem, estão mobilizados em frente à empresa, para saber como irão receber suas indenizações.

Crise à vista

Além dos 600 mineiros que ficarão sem empregos a partir desta segunda-feira, com o fechamento da Carbonífera Criciúma,  continua também a onda de demissões de pepistas na Prefeitura de Criciúma. Ontem, foi mais uma “tarrafada”. Dizem que vão ser mais de 500 demissões nos próximos dias.

Últimas de Ney Lopes

Veja mais