Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página

Adelor Lessa

Vereadores não vão cortar assessores, nem diminuir repasse

21/01/2017

D e certa forma, a tragédia que matou o ministro catarinense Teori Zavascki acabou ajudando o comando da Câmara de Criciúma. Porque tirou da pauta a proposta das entidades para corte nas despesas.
O presidente da Câmara, vereador Júlio Colombo, e os demais membros da mesa diretora têm posição fechada. Não vão atender aos pedidos do Observatório Social e do Forcri. 
Estão decididos a bancar a estrutura atual e a reagir a qualquer mobilização em sentido contrário. Nos bastidores, já são identificadas ações de retaliação.
Em uma delas, um dirigente de entidade que participa do Forcri é acusado de ter sua empresa na lista dos maiores devedores de determinado tributo municipal. Isso não é verdade.
A dita empresa está discutindo na Justiça onde paga o tributo. Por uma questão legal/jurídica. É dife-rente de simplesmente estar inadimplente ou ser apenas um devedor.
Mas a divulgação gera dúvida, pode causar constrangimento.
É uma maneira equivocada de tratar uma ação da sociedade, via organizações respeitadas e respaldadas.
Observatório Social e o Forcri foram duas das me-lhores "notícias" de Criciúma em 2016.
Mas os vereadores ignoram. Não acreditam na força da "voz das ruas".
Cada um já nomeou seus dois "cabos eleitorais" como assessores de gabinete. Só o vereador Zairo Casagrande, PSD, nomeou um. Como pediu o Observatório.
Os cargos comissionados de direção já estão todos ocupados. E as "mordomias" todas mantidas.
O percentual de repasse de 5% da receita do Município para gestão da Câmara é considerado "imexível".
Eles preparam um plano de "readequação financeira", que deverá ser lançado nos próximos dias. Mas é só para cortar "cafezinho". Nada de expressivo. Nem duradouro. Será um faz de conta.

Ruído na sintonia

Na reunião que teve sexta-feira com as irmãs do Hospital São José, o prefeito Clésio Salvaro se mostrou surpreso com o pedido de bloqueio de contas da Prefeitura, feito pelo hospital. As irmãs disseram que não tinham conhecimento. Ficou acertado que será feita uma petição para retirada do pedido.

Últimas de Adelor Lessa

Veja mais